Antes de se ter mostrado a crianças e famílias como uma verdadeira Rainha, Felisa Pérez vestiu a capa dos “ilustres desconhecidos” e estudou História e Museologia em Lisboa e em Madrid. Quando acabou a escola, depois de ter lido muitos livros e de ter conhecido muitas pessoas espertas, decidiu trabalhar com crianças – as pessoas mais espertas de todas.

Em Espanha, encontrou uma casa cheia de tesouros. O dono da casa e dos tesouros chamava-se Lázaro Galdiano. Era rico e gostava de coisas bonitas, que comprava e levava para a casa. Felisa instalou-se naquela casa e começou a contar às famílias que lá iam a história de cada coisa, porque acredita que tudo fica ainda mais bonito quando aprendemos.

Como os pais tinham saudades dela, Felisa resolveu voltar para Portugal. Sem querer, apanhou o avião errado e… aterrou no Rio de Janeiro, no Brasil! Ficou preocupada, mas rapidamente encontrou uma maneira de ir para Lisboa outra vez. Como ainda faltava um bocadinho para a viagem, foi à procura de um sítio com coisas bonitas para poder continuar a contar histórias. Encontrou assim o Museu de Arte Moderna, que além de coisas bonitas tinha visitantes muito simpáticos. Foi uma sorte, porque ainda ficou no Brasil mais seis meses e esperar sozinha é difícil.

Quando finalmente chegou a Lisboa, ouviu falar de um sapatinho especial e foi ter com a artista que o tinha feito, chamada Joana Vasconcelos. Entretanto, teve dois príncipes pequeninos e percebeu que estava na altura de mostrar a todos os seus fatos de Rainha.

Vestiu-se, penteou-se, e foi visitar o seu Museu preferido: o Museu dos Coches. Enquanto passeava, apareceu uma criança que queria saber a história de um dos coches. Como Felisa sabia aquela história, começou a contá-la. De repente, estavam muitas e muitas crianças à sua volta, com idades e perguntas diferentes!

Desde essa altura, Felisa conta histórias – sempre verdadeiras – a crianças e a pais de muitos países, sempre nos seus Museus e Palácios preferidos.